sábado, 29 de junho de 2013

Con Jesús y la juventud – redescubrir la humanidad



Jesús preguntó: “¿Dónde lo enterraron?
 Le contestaron: Señor, ven a ver. Y Jesús lloró”
(Jn 11, 34-35)

El camino para Jerusalén, que hemos recorrido con los(as) jóvenes y con Jesús, es un camino provocador, desinstala y desafía. Es un proceso que quiere provocar una adhesión más radical a Jesús, a Su Proyecto y a la causa de los(as) jóvenes. También, desea revitalizar nuestra acción con la juventud y así fortalecer las acciones en la construcción de la Civilización del Amor, por eso es un camino. Y por hablar de camino, este mes, millones de jóvenes se pondrán a caminar, en las calles, en las plazas, en las capitales y en el interior de las regiones.

Cuestionando, desafiando, desinstalando, provocando nuevos caminos. Se sitúa en el horizonte Jerusalén, desde Betania, en los pasos de la juventud.
En este mes, Betania quiere desafiarnos en algo sencillo, pero que exige coherencia en el seguimiento. Desde Betania, con la juventud y con Jesús, somos invitados(as) a redescubrir la humanidad. Somos llamados(as) a redescubrir la humanidad de los(as) jóvenes. Somos llamados(as) a redescubrir la humanidad de las personas. Somos llamados(as) a redescubrir,  acoger y vivir la humanidad.

Betania nos ayuda a comprender la humanidad de Jesús de Nazaret, pues a él le gustaba estar con los amigos y las amigas, le gustaba hablar de la vida, comer juntos, compartir la vida, festejar, beber, sentarse, descansar. En Betania Jesús llora. Todo esto es su humanidad vivida radicalmente. Desvelar la humanidad de Jesús es descubrir verdaderamente su divinidad. Jesús nos quiere humanos en lo más sencillo y profundo de nosotros mismos. Dios se hizo hombre, verdaderamente hombre en Jesús. Es desafiante darnos cuenta de esto, comprender este misterio nos desinstala. Por eso, o redescubrimos la humanidad de Jesús o no estamos siendo coherentes a su proyecto.

En tiempo de grandes movilizaciones, la humanidad del Nazareno nos interpela para reconocer en la juventud un sujeto de derechos y, delante de esto, grita por la vida: ¡Nosotros queremos vivir mejor! Inevitablemente, en la construcción de la humanización, hay que programar políticas públicas para la juventud. Tenemos claro que la juventud es portadora de novedad. Un nuevo mundo está en las manos de los(as) jóvenes. Siempre afirmamos que cualquier institución que quiera ser nueva, más creativa, más dinámica, más dialogante, más humana, necesariamente debe provocar a la juventud.

Ineludiblemente el Reino de Dios, vivido y anunciado por Jesús, provoca a cada uno que se coloca en el camino de  la revitalización, para construir alternativas, medios para que crezcamos humanamente, usando la creatividad y la osadía que Dios nos concede como gracia para cada uno de nosotros(as). En este sentido, también la juventud se va reconociendo y reconociendo al otro como portador de los mismos derechos.
Revitalizando nuestra postura y nuestra práctica, venceremos el invierno y la noche neoliberal, del capitalismo, del individualismo y del consumismo desenfrenado. Caminamos desde Betania para una primavera llena de olores agradables y de vida plena. Una primavera en la cual los hombres y las mujeres serán más importantes que las máquinas, serán más importantes que la cuenta bancaria… Uno de los mayores escándalos provocados por Jesús fue enfrentar y asumir a todos(as) como humanos(as): tocó muertos, se sentó con pecadores, se aproximó de las mujeres. Tantos gestos de humanización. Amó profundamente a cada ser humano. Amó en Belén. Amó en Nazaret. Amó en Betania, en Cafarnaúm. Amó hasta la cruz en Jerusalén y resucitado prometió amarnos y estar con nosotros hasta el fin de los tiempos (Mt 28,22).

En el contexto en el cual vivimos, no podemos dejar de escribir sobre la Semana Misionera y la Jornada Mundial de la Juventud que están aproximándose rápidamente. Nos parece que Betania nos desafía a no dejar pasar este tiempo y a reconocer la gracia de Dios que, como semilla escondida, actúa en todo momento. Esto implica que esas grandes actividades sean, igualmente, constructoras de humanización. Qué maravilla si la Semana Misionera logra revelar, de hecho, la realidad de la juventud de todos los lugares y nos coloca en proceso permanente de misión y transformación.  Qué maravilla si la Jornada Mundial de la Juventud en toda su magnitud y belleza, que de hecho tiene, ayuda a la juventud a hacer la experiencia de un Jesús del Reino, pobre, crucificado, de Jerusalén. Qué maravilla si el obispo de Roma, el querido Francisco, continua provocándonos para que seamos cristianos más comprometidos, más revolucionarios, más de los pobres, más de la Palabra y nos desafía para construir la Civilización del Amor, desde Jerusalén, para donde estamos caminando.

Hagamos esa experiencia de reconocernos como humanos en nuestros grupos, en cada lugar que estamos. No somos máquinas. Nuestros pies pisan una tierra que es nuestra y que carga una historia,  con marcas que están presentes en cada gesto y palabra nuestra. Como humanos, en nuestras luchas, caminemos construyendo un mundo nuevo, amándonos más de la forma que el Nazareno lo hizo.
Con el olor de la humanidad que camina en dirección al Reino, y que hace de Betania su casa y su lugar de conversión y humanización, seguimos firmes en nuestro horizonte de vida para la juventud y de revitalización de las Pastorales de la Juventud de América Latina y del Caribe, desde los pasos del Maestro.

                                   Autores
Padre Maicon André Malacarne – Asesor de la PJ en la Diocesis de Erexim /RS
Luis Duarte Viera – Militante de la PJ y novicio aceptado en la Compañía de Jesús.


Traducción: Katiuska Serafin Nieves sjt

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Com Jesus e a juventude - redescobrir a humanidade



“Jesus perguntou: ‘Onde vocês colocaram Lázaro’?
Disseram: ‘Senhor, vem e vê’
E Jesus começou a chorar.”
[João 11, 34-35]


O caminho para Jerusalém, que temos percorrido com os/as jovens e com Jesus, é um caminho provocador, desinstalador e desafiador. É um processo que quer provocar uma adesão mais radical à Jesus, à Seu Projeto e à causa dos/as jovens. Que deseja revitalizar nossa ação com a meninada e assim fortalecer ações na construção da Civilização do Amor. Por isso mesmo, é um caminho. Por falar em caminho, esse mês, milhares de milhares de jovens se colocaram a caminhar, nas ruas, nas praças, nas capitais e interiores.

Questionando, desafiando, desinstalando, provocando novos caminhos. Coloca-se no horizonte, Jerusalém, desde Betânia, nos passos da juventude.

Neste mês, Betânia quer nos desafiar a algo simples, mas que exige coerência com o seguimento. Desde Betânia, com a juventude e com Jesus, somos convidados/as a redescobrir a humanidade. Somos chamados/as a redescobrir a humanidade de Jesus. Somos chamados/as a redescobrir a humanidade dos/as jovens. Somos chamados/as a redescobrir a humanidade das pessoas. Somos chamados/as a redescobrir, acolher e viver a humanidade.

Betânia nos ajuda a compreender a humanidade de Jesus de Nazaré. Ele gostava de estar com os amigos e amigas. Gostava de falar da vida. De comer junto. De partilhar a vida. De festejar. De beber. De sentar. De descansar. Em Betânia Jesus chora. Isso tudo é a humanidade Dele sendo vivida radicalmente. Desvelar a humanidade de Jesus é descobrir verdadeiramente sua divindade. Jesus quer-nos humanos no mais simples e profundo de nós mesmos. Deus se fez homem, verdadeiramente homem, em Jesus. É desafiador darmo-nos conta disso. É desinstalador compreender esse mistério. Mas, ou redescobrimos a humanidade de Jesus ou não estamos sendo coerentes ao seu projeto.

Em tempo de grandes mobilizações, a humanidade do Nazareno nos interpela a reconhecer na juventude um sujeito de direitos e, diante disso, grita pela vida: nós queremos viver melhor! Necessariamente, na construção da humanização, há que se pautar políticas públicas para a juventude. Temos clareza de que a juventude é portadora do novo. Um novo mundo está nas mãos das/os jovens. Sempre afirmamos que qualquer instituição que quer ser nova, mais criativa, mais dinâmica, mais do diálogo, mais humana, necessariamente deve atentar a juventude. Necessariamente.

O Reino de Deus, vivido e anunciado por Jesus, provoca a cada um que se coloca no caminho da revitalização, a construção de alternativas, meios para que cresçamos humanamente, usando da criatividade e da ousadia que Deus concede como graça a cada um de nós. Nesse sentido, também a juventude vai se reconhecendo e reconhecendo o outro como portador dos mesmos direitos.

Revitalizando a nossa postura e a nossa prática, venceremos o inverno e a noite neoliberal, do capitalismo, do individualismo e do consumismo desenfreado. Caminhamos, desde Betânia para uma primavera cheia de cheiro gostoso e de vida plena. Uma primavera em que os homens e as mulheres serão mais importantes que as máquinas. Serão mais importantes que a conta bancária... Um dos maiores escândalos causados por Jesus foi encarar e assumir todos como humanos: encostou-se em mortos, sentou-se com pecadores, aproximou-se das mulheres. Tantos e tantos gestos de humanização. Amou profundamente cada ser humano. Amou em Belém. Amou em Nazaré. Amou e
m Betânia, em Cafarnaum. Amou até a cruz em Jerusalém. E ressuscitado prometeu nos amar e estar conosco até o fim dos tempos (Mt 28,22).

Não poderíamos deixar, no contexto que vivemos, de escrever sobre a Semana Missionária e a Jornada Mundial da Juventude que se aproximam rapidamente. Parece-nos que Betânia nos desafia a não deixarmos passar esse tempo e reconhecer a graça de Deus, como semente oculta, que age a todo o momento. Isso implica que essas grandes atividades sejam, igualmente, construtoras de humanização. Que maravilha se a Semana Missionária revelar de fato a realidade da juventude de todos os cantos e nos colocar em processo permanente de missão e transformação. Que maravilha se a Jornada Mundial da Juventude em toda magnitude e beleza que é, ajudar a juventude a fazer a experiência de um Jesus do Reino, pobre, da Cruz, de Jerusalém. Que maravilha se o bispo de Roma, o querido Francisco, continuar nos provocando a sermos cristãos mais engajados, mais revolucionários, mais dos pobres, mais da Palavra e nos desafiar a construir a Civilização do Amor, desde Jerusalém, para o qual estamos caminhando.

Façamos essa experiência de nos reconhecermos como humanos em nossos grupos, em cada lugar que estamos. Não somos máquinas. Nossos pés pisam um chão que é nosso e carrega uma história com marcas que estão presentes em cada gesto e palavra nossa. Como humanos, nas nossas lutas, caminhadas, construindo um mundo novo, vamos nos amar mais, do jeito que o Nazareno fez.

Com o cheiro da humanidade que caminha em direção ao Reino e que faz de Betânia sua morada e seu lugar de conversão e humanização, seguimos firmes no nosso horizonte de vida para a juventude e de revitalização das Pastorais da Juventude da América Latina e do Caribe, desde os passos do Mestre.

Pe. Maicon André Malacarne – Assessor da PJ na Diocese de Erexim/RS
Luis Duarte Vieira – Militante da PJ e noviço admitido à Companhia de Jesus

ilustração - cenas bíblias Africanas

terça-feira, 25 de junho de 2013

O preço do progresso e os dois Brasis

O Texto publicado em Outras Palavras veja no link abaixo ou leia o texto


Protestos foram enorme surpresa internacional. Para entendê-los, deve-se examinar as agendas interrompidas no governo Dilma – e a que se impôs
Por Boaventura de Sousa Santos
Com a eleição da Presidente Dilma Roussef, o Brasil quis acelerar o passo para se tornar uma potência global. Muitas das iniciativas nesse sentido vinham de trás mas tiveram um novo impulso: Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente, Rio +20, em 2012, Campeonato do Mundo de Futebol em 2014, Jogos Olímpicos em 2016, luta por lugar permanente no Conselho de Segurança da ONU, papel ativo no crescente protagonismo das “economias emergentes”, os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), nomeação de José Graziano da Silva para diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), em 2012, e de Roberto Azevedo para diretor-geral da Organização Mundial de Comércio, a partir de 2013, uma política agressiva de exploração dos recursos naturais, tanto no Brasil como em África, nomeadamente em Moçambique, favorecimento da grande agricultura industrial sobretudo para a produção de soja, agro-combustíveis e a criação de gado.
Beneficiando de uma boa imagem pública internacional granjeada pelo Presidente Lula e as suas políticas de inclusão social, este Brasil desenvolvimentista impôs-se ao mundo como uma potência de tipo novo, benévola e inclusiva. Não podia, pois, ser maior a surpresa internacional perante as manifestações que na última semana levaram para a rua centenas de milhares de pessoas nas principais cidades do país.
Enquanto perante as recentes manifestações na Turquia foi imediata a leitura sobre as “duas Turquias”, no caso do Brasil foi mais difícil reconhecer a existência de “dois Brasis”. Mas ela aí está aos olhos de todos. A dificuldade em reconhecê-la reside na própria natureza do “outro Brasil”, um Brasil furtivo a análises simplistas. Esse Brasil é feito de três narrativas e temporalidades. A primeira é a narrativa da exclusão social (um dos países mais desiguais do mundo), das oligarquias latifundiárias, do caciquismo violento, de elites políticas restritas e racistas, uma narrativa que remonta à colônia e se tem reproduzido sob formas sempre mutantes até hoje. A segunda narrativa é a da reivindicação da democracia participativa que remonta aos últimos 25 anos e teve os seus pontos mais altos no processo constituinte que conduziu à Constituição de 1988, nos orçamentos participativos sobre políticas urbanas em centenas de municípios, no impeachment do Presidente Collor de Mello em 1992, na criação de conselhos de cidadãos nas principais áreas de políticas públicas especialmente na saúde e educação aos diferentes níveis da ação estatal (municipal, estadual e federal). A terceira narrativa tem apenas dez anos de idade e diz respeito às vastas políticas de inclusão social adotadas pelo Presidente Lula da Silva a partir de 2003 e que levaram a uma significativa redução da pobreza, à criação de uma classe média com elevado pendor consumista, ao reconhecimento da discriminação racial contra a população afrodescendente e indígena.
O que aconteceu desde que a Presidente Dilma assumiu funções foi a desaceleração ou mesmo estancamento das duas últimas narrativas. E como em política não há vazio, o espaço que elas foram deixando de baldio foi sendo aproveitado pela primeira e mais antiga narrativa que ganhou novo vigor sob as novas roupagens do desenvolvimento capitalista todo o custo, e as novas (e velhas) formas de corrupção. As formas de democracia participativa foram cooptadas, neutralizadas no domínio das grandes infraestruturas e megaprojetos e deixaram de motivar as gerações mais novas. As políticas de inclusão social esgotaram-se e deixaram de corresponder às expectativas de quem se sentia merecedor de mais e melhor. A qualidade de vida urbana piorou em nome dos eventos de prestígio internacional que absorveram os investimentos que deviam melhorar transportes, educação e serviços públicos em geral. O racismo mostrou a sua persistência no tecido social e nas forças policiais. Aumentou o assassinato de líderes indígenas e camponeses, demonizados pelo poder político como “obstáculos ao desenvolvimento”.
A Presidente Dilma foi o termômetro desta mudança insidiosa. Assumiu uma atitude de indisfarçável hostilidade aos movimentos sociais e aos povos indígenas, uma mudança drástica em relação ao seu antecessor. Lutou contra a corrupção, mas deixou para os parceiros políticos mais conservadores as agendas que considerou menos importantes. Foi assim que a Comissão de Direitos Humanos, historicamente comprometida com os direitos das minorias, foi entregue a um pastor evangélico homofóbico e promove uma proposta legislativa conhecida como “cura gay”. As manifestações revelam que, longe de ter sido o país que acordou, foi a Presidente quem acordou. Com os olhos postos na experiência internacional e também nas eleições presidenciais de 2014, a Presidente Dilma tornou claro que as respostas repressivas só agudizam os conflitos e isolam os governos. No mesmo sentido, os prefeitos de nove capitais já decidiram baixar o preço dos transportes. É apenas um começo. Para ele ser consistente é necessário que as duas narrativas (democracia participativa e inclusão social intercultural) retomem o dinamismo que já tiveram. Se assim for, o Brasil estará a mostrar ao mundo que só merece a pena pagar o preço do progresso aprofundando a democracia, redistribuindo a riqueza criada e reconhecendo a diferença cultural e política daqueles para quem progresso sem dignidade é retrocesso.
foto publicada no blog. Manifestantes da usina Belo Monte.

"Cura Gay"

O texto do Jardel publicado na Adital
TEXTO PUBLICADO ADITAL - JARDEL SANTANA
Hoje (18/06), infelizmente (ou será felizmente?) foi aprovado na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, o projeto popularmente conhecido como "Cura Gay”, o qual visa sustar dois trechos da resolução 001/99 do Conselho Federal de Psicologia (CFP). O primeiro afirma que "os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades" e o segundo determina que "os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica".
Confesso que fiquei surpreso, não com a aprovação em si, pois isso já era esperado, considerando que a CDHM é composta, majoritariamente, por fundamentalistas religiosos. O que me deixou surpreso foi a votação ter ocorrido hoje, após as manifestações de ontem (17/06).
Sinceramente, até gostei da notícia (algumas pessoas pensarão que sou favorável à "Cura Gay”, não sou! Mesmo porque não há cura para o que não é doença). Gostei, pois somente assim o projeto sai da CDHM (comissão que já há alguns meses deixou de representar verdadeiramente os Direitos Humanos e as Minorias) e, portanto, poderemos pressionar para que não passe nas demais comissões (Seguridade Social e Constituição e Justiça) e muito menos no plenário.
Outro ponto positivo que percebo na aprovação, é o fato de que agora o presidente da CDHM, provavelmente, não estará tanto na mídia, quanto vinha estando (é óbvio que devemos esperar algumas estratégias dele e é por isso que agora devemos lutar ainda mais para sua saída da CDHM). Ele colocar o projeto em pauta e em cima da hora retirar, como vinha fazendo, era estratégia para chamar atenção, estratégia que foi ficando desgastada, tanto que para ele voltar a ter visibilidade, usou de artimanhas regimentais irregulares para colocar a matéria em discussão, conforme afirmou um dos deputados da CDHM. Exemplo de que essa era uma estratégia de Feliciano para manter-se na mídia, é a afirmação do deputado Simplício Araújo (PPS-MA), o qual afirmou que "Esse projeto é eleitoreiro, não atinge o clamor das multidões que tomam as ruas".
Fazendo alusão a um texto publicado aqui no Miraculoso (http://www.miraculoso.com.br/brasil/378-agradeco-pelo-aumento), espero futuramente agradecer a aprovação do projeto na CDHM. Espero que com essa aprovação, assim como ocorreu com o aumento da passagem em São Paulo e que desencadeou uma onda de protestos país afora, as entidades de Direitos Humanos e de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBTTT) se mobilizem ainda mais, não apenas virtualmente e nem protestando somente na porta do Plenário da CDHM, mas que intensifiquem ainda mais os atos/protestos, principalmente nas ruas, que voltemos a nos mobilizar nacionalmente contra o fundamentalismo religioso, nas ruas e nas praças.
[Algumas informações foram obtidas de reportagem disponível emhttp://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/06/1297075-proposta-sobre-cura-gay-e-aprovada-em-comissao-presidida-por-feliciano.shtml].

domingo, 23 de junho de 2013

Carta aberta dos movimentos sociais à presidenta Dilma

Segue a Carta dos Movimentos sociais,

O Brasil presenciou nesta semana mobilizações que ocorreram em 15 capitais e centenas de cidades.
Concordamos com suas declarações que afirmam a importância para a democracia brasileira dessas mobilizações, cientes que as mudanças necessárias ao país passarão pela mobilização popular.
Mais que um fenômeno conjuntural, as recentes mobilizações demonstram a gradativa retomada da capacidade de luta popular. É essa resistência popular que possibilitou os resultados eleitorais de 2002, 2006 e 2010. Nosso povo, insatisfeito com as medidas neoliberais, votou a favor de um outro projeto. Para sua implementação, esse outro projeto enfrentou grande resistência principalmente do capital rentista e setores neoliberais que seguem com muita força na sociedade.
Mas enfrentou também os limites impostos pelos aliados de última hora, uma burguesia interna que na disputa das políticas de governo impede a realização das reformas estruturais como é o caso da reforma urbana e do transporte público.
A crise internacional tem bloqueado o crescimento e, com ele, a continuidade do projeto que permitiu essa grande frente que até o momento sustentou o governo.
As recentes mobilizações são protagonizadas por um amplo leque da juventude que participa pela primeira vez de mobilizações. Esse processo educa aos participantes permitindo-lhes perceber a necessidade de enfrentar aos que impedem que o Brasil avance no processo de democratização da riqueza, do acesso à saúde, à educação, à terra, à cultura, à participação política e aos meios de comunicação.
Setores conservadores da sociedade buscam disputar o sentido dessas manifestações. Os meios de comunicação buscam caracterizar o movimento como anti-Dilma, contra a corrupção dos políticos, contra a gastança pública e outras pautas que imponham o retorno do neoliberalismo. Acreditamos que as pautas são muitas, como também são as opiniões e visões de mundo presentes na sociedade.
Trata-se, no entanto, de um grito de indignação de um povo historicamente excluído da vida política nacional e acostumado a enxergar a política como algo danoso à sociedade.
Diante do exposto nos dirigimos a V. Ex.a para manifestar nosso pleito:
Em defesa de políticas que garantam a redução das passagens do transporte público com redução dos lucros das grandes empresas. Somos contra a política de desoneração de impostos dessas empresas.
O momento é propício para que o governo faça avançar as pautas democráticas e populares, e estimule a participação e a politização da sociedade. Nos comprometemos em promover todo tipo de debates  em torno desses temas e nos colocamos à disposição para debater também com o Poder Público.
Propomos a realização com urgência de uma reunião nacional, que  envolva os governos estaduais, os prefeitos das principais capitais,  e os representantes de todos os movimentos sociais.
De nossa parte, estamos abertos ao diálogo, e achamos que essa reunião é a única forma de encontrar saídas  para enfrentar a grave crise urbana que atinge nossas grandes cidades. O momento é favorável. São as maiores manifestações que a atual geração vivenciou e outras maiores virão. Esperamos que o atual governo escolha governar com o povo e não contra ele.

Assinam:
ADERE – Associação dos Trabalhadores Assalariados Rurais  de MG
Assembleia Popular
Jornalistas do Barão de Itararé
CIMI – Conselho Indigenista Missionário
CMP – Central de Movimentos Populares
MMC -Movimento de Mulheres Camponesas
CMS – Coordenação de Movimentos Sociais
Coletivo Intervozes pela Democratização dos Meios de Comunicação
CONEN – Coordenação Nacional das Entidades Negras
Consulta Popular
CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
CUT – Central Única dos Trabalhadores
Fetraf – Federação dos agricultores familiares
FNDC – Forum Nacional pela Democratização da Mídia
FUP – Federação Única dos pPtroleiros
Juventude Koinonia (das igrejas cristãs tradicionais)
Levante Popular da Juventude
MAB – Movimento dosa tingidos pro barragens
MAM – Movimento Nacional pela Soberania Popular frente a Mineração
MCP – Movimento Camponês Popular, de Goiás
MMM – Marcha Mundial de Mulheres
Movimentos da Via Campesina
MPA-  Movimento dos Pequenos Agricultores
MST- Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
SENGE/PR- Sindicato dos Engenheiros do Paraná
Sindipetro – Sindicato Petroleiros de São Paulo
SINPAF- Sindicato dos Trabalhadores e Pesquisadores da EMBRAPA e Codevasf
UBES- União brasileira de estudantes secundaristas
UBM – União Brasileira da Mulher
UJS -  União da Juventude socialista
UNE -  União Nacional dos Estudantes
UNEGRO – União Nacional do Negr

sábado, 22 de junho de 2013

Juventude: educação, religião e violência

O Seminário organizado pelo grupo de pesquisa "A condição Juvenil em Goiás"  - Estudos - Juventude: Educação, Religião e Violência. Um acontecimento que provocou o debate sobre o tema da juventude em tempos de movimentação da juventude em manifestações nacionais.

Estiveram presente 41 pessoas nos dois dias 21 e 22 de junho. Pessoas de várias áreas do conhecimento - pedagogia, história, educação, matemática, comunicação, assistente social, ciências sociais, cultura visual,hotelaria, direito,geografia, economia, biologia, psicologia, fisioterapia, politica públicas, letras, administração, meio ambiente e ciências da religião.

O seminário aconteceu na Faculdade de Educação. O grupo avaliou que o Seminário contribui para o avanço da pesquisa que nesta segunda etapa, tem como campo os jovens no ensino médio, portanto a educação e as relações de poder que se constitui neste campo em disputa.

Convidamos os/as participantes para deixar aqui no blog a sua impressão e outros debates que desejam contribuir com o grupo de pesquisa. Aguardamos.

REGISTRO FOTOGRÁFICO - AURISBERG LEITE MATUTINO

“Carpa de las Juventudes” en la JMJ


Organizaciones juveniles presentan la “Carpa de las Juventudes” en la JMJ.
Este espacio reunirá diversas organizaciones con el deseo de fomentar la lucha por la vida de la juventud.
             Durante el evento en Río de Janeiro diversas organizaciones realizaran una actividad como espacio de debate y reflexión de la realidad juvenil y políticas públicas para la juventud, con el objetivo de mover los jóvenes presentes en la Jornada Mundial de la Juventud para la concientización y lucha en defensa de la vida de la juventud.
            La “Carpa de las juventudes” será espacio de acogida, formación, celebración, compartir, diálogo y convivencia de las diversas juventudes presentes en la JMJ. Desea ser una verdadera carpa, donde todos podrán aproximarse,  acogerse y haciendo de este espacio su casa.
            La actividad tendrá como tema “La juventud quiere vivir”, frase que ha marcado la lucha por la vida de la juventud, especialmente en el combate a la violencia y al exterminio que asola a la juventud brasilera. La propuesta de los organizadores es que esta agenda sea promovida para los jóvenes de todas las partes del mundo que estarán presentes en la JMJ, movilizándolos así para el compromiso en la discusión sobre la trivialización de la violencia y  la defensa de la vida de los jóvenes.
            La Carpa ocurrirá  del 22 al 26 de julio, en el Galpón del Comité Rio Acción de la Ciudadanía (Galpão do Comitê Rio Ação da Cidadania), en el Barrio de la Salud en Rio de Janeiro/RJ (Bairro da Saúde no Rio de Janeiro/RJ). El programa contará con mesas temáticas, celebraciones y momentos orantes, exposiciones, presentaciones culturales entre otras atracciones. Destaca el espacio en memoria de los mártires del camino, denominado Santuario de los Mártires. Local dentro de la Tienda que desea profundizar y celebrar la memoria de tantas vidas donadas a favor del Reino.
            Entre los asuntos que serán tratados en las mesas temáticas destacan: la juventud quiere vivir; justicia y transición; memoria y compromiso; desafíos socio-ambientales de la humanidad y la juventud; crisis y economía; derechos sociales y juventudes; tráfico de personas; juventudes, cultura, comunicación y derechos humanos; civilización del amor y la evangelización de la juventud en América Latina; y la solidaridad.
            La actividad está siendo organizada por la Pastoral de la Juventud, Cáritas Brasilera, Juventud Franciscana, Comisión Brasilera de Justicia y Paz, Cajueiro – Centro de Formación, Asesoría e Investigación en Juventud, REJU – Red Ecuménica de la Juventud, Hermandad de los  Mártires del Camino, Sector Pastoral de la Pontificia Universidad Católica – Rio de Janeiro (PUC/RJ). Con la alianza del Programa de las Naciones Unidas para el desarrollo (PNUD); de la Superintendencia de Juventud del Gobierno de Rio de Janeiro; de la Secretaria Nacional de Juventud del Gobierno Federal; y de la Red Brasilera de Centros e Institutos de Juventud. Otras organizaciones también están apoyando la iniciativa y pronto  serán divulgadas.
            También es importante resaltar que esta iniciativa ocurrirá en sintonía con la JMJ, siendo una de las tantas actividades inscritas ante el Comité Organizador Local/COL y sucederá de forma oficial y simultánea  durante la Jornada. La Carpa está prevista en la Guía del Peregrino de la JMJ y respetará la programación de los actos centrales y otros momentos significativos.
Presentación
            La presentación de la “Carpa de las Juventudes” ocurrirá el día 15 de junio, fecha en la que se hace memoria de la vida del Padre Gisley Azevedo Gomes, asesinado en Brazlândia – DF, el 15 de junio de 2009.
            El Padre Gisley fue asesor del Sector Juventud de la Conferencia Nacional de los Obispos del Brasil (CNBB) y uno de los principales provocadores para la creación de la Campaña Nacional contra la violencia y el exterminio de los jóvenes, promovido por las Pastorales de la Juventud, programada hoy en todo Brasil y en el Continente Latinoamericano por diversas organizaciones y expresiones juveniles.

            El deseo de la organización del evento es que la memoria de Gisley, su legado por la vida de la juventud y por el combate a todas las formas de violencia contra la juventud, promueva la participación de las personas que van a peregrinar hasta la JMJ para un gran grito contra la violencia y el exterminio de la juventud.

Traducción - Katiuska Nieves, Venezuelana vivendo no Brasil como missionária, Irmãs de São José de Tarbes.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

O efeito moral

Carmem Lucia Teixeira[i]
20 de junho de 2013. Acabei de chegar em minha casa. Estava com um grupo do CAJUEIRO (um Centro de Formação e Assessoria, especialmente direcionado à juventude)  na manifestação por um Brasil melhor, no centro de Goiânia. Impressionante!  Um momento histórico na vida deste nosso país. A quantidade de jovens e o modo de manifestar são novos.

Lembro-me de ter participado de diversas manifestações, de campanhas eleitorais como foi, por exemplo, a do Lula de 1989, o  Fora Collor, entre outras. Nada se compara... Há uma solidariedade no ar! As pessoas, em sua maioria, estão por grupo. Foram convocadas pelas redes sociais para sair para a Rua, por isto move-se em Rede.

O que moveria, desse jeito, o povo para as ruas?  O governo de Goiás já recuara antes da manifestação começar. Já determinara a volta do valor da passagem.  Nada disto acomodou o povo. A iniciativa de caminhar e estar na rua tinha sentidos mais profundos. No caminho íamos cumprimentando e sendo cumprimentados: parecia que todos se conheciam.

As manifestações têm um caráter de rede com vários pontos. Inclusive com carros de sons espalhados. O mais interessante são pessoas organizadas em pequenos grupos, cada uma com seus cartazes. Fiquei pensando no movimento de preparação para o ato. É preciso decidir a frase, a letra e a forma como este grito será dito.
Quando as  vozes se fazem ouvir,  dá a impressão que o povo saiu das redes sociais e ocupou as ruas. Varias pessoas postando suas mensagens; pessoas fotografando, ou curtindo. Alguns param nas ruas, outras andam. Todo o centro de Goiânia foi palco para o grupo se apresentar.

As instituições também se manifestaram: cancelou-se o ato publico de celebração do PT com a vinda do Lula; o Estado dispensou todos os funcionários ao meio dia; a policia fechou a Assembleia Legislativa  ao meio dia e reuniu-se com suas lideranças no dia anterior para informar sobre a operação do dia no manifesto. Havia, no terminal da Praça da Bíblia, próximo de minha casa, dezenas de carros da polícia.  Toda a Praça Cívica cercada com um cordão humano de policia.  O que significa tudo isto? Uma maioria de jovens que saem de casa pela primeira vez ocupam as ruas. Alguns, na manifestação, diziam: “É a primeira vez, estou tremendo de medo”. Porém, permaneciam na manifestação. Enfrentar o medo, sair às ruas, manifestar suas opiniões, lutar por várias causas. Um movimento político porque traz as causas que são de todos/as: transporte, educação, saúde, combate à corrupção e tudo que o povo sabe...

Estar neste movimento e viver a emoção de ver os/as jovens, em sua maioria quase absoluta, na rua, e  sentir a consciência da força popular nenhum livro,  nenhuma escola tem possibilidade de oferecer. É, de fato, uma mega-aula de cidadania. Há cheiros de primavera, com várias flores brotando.

Tudo isto que estamos vendo, não nasce do nada. Foram quantas conferências: Direitos Humanos, Juventude, diversidade, saúde, assistência, educação.... Assim como  não podemos esquecer os Fóruns Sociais Mundiais, a Cúpula dos Povos, os Encontros de Formação dos Movimentos Sociais, o Movimento Estudantil... E digo, com esperança, que a formação oferecida pelo CAJUEIRO, ofereceu também, sementes para plantar este movimento de sair de si, para enxergar o mundo.  Isso alegra o coração.




[i] Socióloga, pesquisadora em juventude, da coordenação do Cajueiro.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Estudos de Juventude: religião, educação e violência


O Seminário Estudos de Juventude: religião, educação e violência é uma organização do grupo de pesquisa sobre a Condição Juvenil em Goiás. Ele é fruto de uma parceria do Cajueiro, Faculdade de Educação e Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás.

O Seminário está organizado em três mesas de debate. A primeira trata do tema da violência, com o professor convidado, Djaci, professor da Faculdade de Ciências Sociais - UFG. A segunda mesa será sobre Educação, com as professoras pesquisadoras Míriam Fábia Alves, doutora em educação, diretora da faculdade de Educação- UFG., Agda Lovato, mestranda em Educação, professora do Instituto Federal – GO e Carmem Lucia, mestre em Ciências da Religião, professora da pós-juventude e da rede pública e coordenação do Cajueiro. A terceira mesa será sobre Religião com os professores pesquisadores/a Flávio Sofiati, doutor em Sociologia, professor da Faculdade de Ciências Sociais- UFG, Lourival Rodrigues, mestre em Ciências da Religião, professor da pós-juventude, chefe de Gabinete do Deputado Karlos Cabral e Vanildes Gonçalves, mestre de Sociologia, professora da UniversidadeCatólica de Brasília, ambos da coordenação do Cajueiro.

O grupo organizador do Seminário - Prof.Dr. Flávio Sofiati, FCS-UFG; Profa.Dra. Míriam Fábia Alves, FE-UFG; Lourival Rodrigues da Silva; Aurisberg Leite Matutino; Carmem Lucia Teixeira; Erika Santos; Vanildes Gonçalves dos Santos; Sandra de Oliveira, Aldenor Pimentel, Zilda Araújo,  Orley Filemon, Maria Aurora Neta e Gardene Leão Mendes.

O Seminário acontece na Faculdade de Educação, da Universidade Federal, na Praça Universitária. Inicia no dia 21/06, às 14:30h - 17:30h; 19:30h 22:00h  (sexta-feira) e termina no dia 22/06 - 9:00 - 12:00.

Haverá certificado de participação pela UFG.
As inscrições podem ser feitas pelo correio centrocajueiro@gmail.com. Envie nome completo e o curso ou formação. 
Não tem taxa de participação.
Contamos com a sua presença. 

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Síntese do Livro Civilização do Amor Projeto e Missão

Civilização do Amor – Projeto e Missão este documento que é o Marco Referencial da Pastoral Juvenil do Continente Latino Americano. É um processo de 30 anos com uma versão para cada tempo. Esta edição foi trabalhada desde 2008.  Esta edição foi parte de um processo de revisão chamado: Revitalização da PJ “Juventude um caminho de discipulado e missão”.  Foram dois encontros e um Congresso, diversas reuniões, consultas para as conferências nacionais. 
                A síntese é o primeiro material didático. Em breve estaremos um curso será virtual para a formação de Assessores/as . Hilário Dick, elaborou a síntese a partir do livro lançado em outubro de 2012.
                Padre Toninho, responsável pelo acompanhamento da juventude na CNBB, informou que o documento está em processo de tradução e que será lançado ainda este ano. 
                Pessoas interessadas em receber informações escrevam para centrocajueiro@gmail.com
Basta clicar no link abaixo e você terá a síntese completa do livro.

sábado, 15 de junho de 2013

“Tenda das juventudes” na JMJ
















Organizações juvenis lançam “Tenda das juventudes” na JMJ.

Espaço reunirá diversas organizações com o desejo de fomentar a luta pela vida da juventude.


Com o objetivo de mobilizar os jovens presentes na Jornada Mundial da Juventude para a conscientização e luta em defesa da vida da juventude é que diversas organizações realizarão, durante o evento no Rio de Janeiro, uma atividade como espaço de debate e reflexão da realidade juvenil e políticas públicas para a juventude.
A “Tenda das Juventudes” será espaço de acolhida, formação, celebração, partilha, diálogo e convivência das mais diversas juventudes presentes na JMJ. Deseja ser uma verdadeira tenda, onde todos poderão se aproximar, aconchegar e fazer deste espaço sua morada.
A atividade terá como tema “A juventude quer viver”. Frase que tem pautado a luta pela vida da juventude em especial no combate à violência e ao extermínio que assola a juventude brasileira. A proposta dos organizadores é que esta pauta seja fomentada para os jovens de todas as partes do mudo que estarão presentes na JMJ, mobilizando assim para o engajamento na discussão sobre a banalização da violência e na defesa da vida dos jovens.
A Tenda acontecerá dos dias 22 a 26 de julho, no Galpão do Comitê Rio Ação da Cidadania, no bairro da Saúde no Rio de Janeiro/RJ. A programação contará com mesas temáticas, celebrações e momentos orantes, exposições, apresentações culturais, entre outras atrações. Destaca-se ainda o espaço em memória dos mártires da caminhada, denominado Santuário dos Mártires. Local dentro da Tenda que deseja aprofundar e celebrar a memória da tantas vidas doadas em favor do Reino.
Dentre os assuntos a serem abordados nas mesas temáticas destacam-se a juventude quer viver; justiça e transição, memória e compromisso; desafios socioambientais da humanidade e a juventude; crise econômica, direitos sociais e juventudes; tráfico de pessoas; juventudes, cultura, comunicação e direitos humanos; civilização do amor e a evangelização da juventude na América latina; e solidariedade.
A atividade está sendo organizada pela Pastoral da Juventude, Cáritas Brasileira, Juventude Frasciscana, Comissão Brasileira de Justiça e Paz, Cajueiro - Centro de Formação, Assessoria e Pesquisa em Juventude, REJU – Rede Ecumênica da Juventude, Irmandade dos Mártires da Caminhada, Setor Pastoral da PUC/RJ. Com a parceria do PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; da Superintendência de Juventude do Governo do RJ; da Secretaria Nacional de Juventude do Governo Federal; e da Rede Brasileira de Centros e Institutos de Juventude. Outras organizações também estão apoiando a iniciativa e que em breve serão divulgadas.
Importante também ressaltar que a iniciativa acontecerá em sintonia com a organização da JMJ, sendo uma das inúmeras atividades inscritas junto ao Comitê Organizador Local/COL e que acontecerá de maneira oficial e simultânea durante a Jornada. A Tenda está prevista no Guia do Peregrino da JMJ e respeitará a programação dos atos centrais e demais momentos significativos.
           
Lançamento

O lançamento da “Tenda das Juventudes” acontece no dia 15 de junho, data em que se faz memória da vida de padre Gisley Azevedo Gomes, assassinado em Brazlândia/DF, em 15 de junho de 2009.
Pe. Gisley foi assessor do Setor Juventude da CNBB e um dos principais provocadores para a criação da Campanha Nacional contra a violência e extermínio de jovens, promovida pelas Pastorais da Juventude e pautada hoje em todo o Brasil e no continente latino americano por diversas organizações e expressões juvenis.
            O desejo da organização do evento é que a memória de Gisley, seu legado pela vida da juventude e no combate a toda forma de violência contra a juventude suscite o envolvimento das pessoas que irão peregrinar até a JMJ para um grande grito contra a violência e extermínio da juventude!


Serviço

Data: 22 a 26 de julho de 2013

Local: Galpão do Comitê Rio da Ação da Cidadania - Av. Barão de Tefé, 75 - Saúde - Rio de Janeiro/RJ

Contato e informações: tendadasjuventudesjmj@gmail.com
- Thiesco Crisóstomo: 94.8117.6210 – thiesco@gmail.com
- Joaquim Alberto: 61.9214.7664 – joaquimaasilva@gmail.com



sexta-feira, 14 de junho de 2013

Um Relato do Ato


Manifestantes cercados e atacados pela Força Policial: democracia, só que não

São quase duas da manhã e estamos aqui, um grupo de nove jovens amigos/as, reunidos/as, agitados/as e não conseguimos dormir antes de denunciar o que vivemos hoje pelas ruas do centro de São Paulo.

Era por volta das 18h quando descemos a Rua Augusta em direção ao Teatro Municipal para a concentração do Quarto Ato contra o aumento das tarifas.

As notícias que circularam durante o dia prenunciavam que o a manifestação seria tensa. Mas, apesar do medo, estávamos leves e confiantes na democracia. Fomos nos incorporando a vários outros companheiros que seguiam para o ato. O que portavam? Flores, vinagre e câmeras fotográficas.

Ao chegar no Teatro, o clima já estava tenso. A forte presença policial contrastava com o desejo de paz da maioria dos manifestantes, evidenciados em falas, gritos pela não violência e em atitudes absolutamente pacíficas.

Seguimos com a multidão, reivindicando a revogação do aumento das tarifas e, mais do que isso, o direito ao transporte público, à cidade e, óbvio, a nos manifestarmos.

Nossa intenção era parar a Paulista, chamar a atenção dos governantes e exigir o diálogo, mas quem parou a Paulista foi a polícia. Poucos metros de caminhada e o choque cercou os manifestantes e realizou a primeira dispersão. A partir daí éramos vários atos pela região central da cidade. Seguimos com um grupo que subiu a Augusta para tentar chegar a Paulista. Também fomos cercados, recuamos pela Bela Cintra e também ficamos sem saída. Fomos encurralados até chegar na Consolação. Vimos um cenário de guerra, vários dos grupos que haviam se dispersado voltaram a se encontrar, mas estávamos cercados pelo choque e pela cavalaria de todos os lados. Todos. Não havia para onde escapar e se proteger. Muitas bombas e balas de borracha atingiam os manifestantes. O desespero começou a tomar conta. Faltava o ar, os olhos ardiam, medo de perder os companheiros e, principalmente, o sentimento de indignação, humilhação e revolta. A solidariedade prevaleceu, quem tinha vinagre, oferecia, indicavam caminhos livres, davam as mãos.

Conseguimos correr por uma das ruas. Recuamos. Tinha duas adolescentes conosco, estávamos preocupados, cansados. Precisávamos encontrar um local seguro. Seguimos pelas ruas paralelas à Consolação na região de Higienópolis. Estava deserta, nos sentimos a salvo. Encontramos mais um pequeno grupo de amigos numa padaria. Um alivio. Tomávamos uma água.

De repente, onde não havia mais aglomeração de manifestantes, mais fumaça, mais barulho, mais bomba. Começamos a correr. Nos separamos dos outros. Nesse momento, éramos apenas nove amigos. Resolvemos caminhar calmamente, não haveria motivo para sermos atacados. Não fazíamos nada de mais. Estávamos enganados. Uma viatura parou diante de nós. Policiais apontaram a arma e ordenaram: “corram que vamos atirar”. Corremos e eles cumpriram a promessa. Atingiram uma amiga. Nos desesperamos. As ruas estavam desertas, não havia onde entrar. estávamos sozinhos. Humilhados e indignados pela arbitrariedade, pela violência, pela covardia, gritamos por socorro.

Duas moças passavam de carro, se escandalizaram com a covardia que presenciaram. Pararam o carro e disseram para entrarmos. Nove pessoas num Palio. A solidariedade e o senso de justiça nos salvou. Elas moravam por ali e nos levaram para o apartamento, para ficarmos em segurança até que pudéssemos sair.

Mais amizade, mais solidariedade. Fizemos um pedido de ajuda pelas redes sociais. Precisávamos de dois carros para nos tirar dali em segurança. Poucos minutos e dezenas de ajuda foram oferecidas. Fizemos e recebemos diversos telefonemas para saber dos outros amigos/as espalhados/as, feridos/as, presos/as. Havia uma rede de pessoas trocando informação, solidariedade, força. Fomos acolhidos num local seguro, onde passaremos a noite.

Como nos sentimos agora? Humilhados e indignados, sim. Mas não derrotados. O que vimos hoje nos fez ver o tamanho do desafio que temos para consolidar a democracia e também nos fez sentir que somos fortes, somos muitos e somos bons. Partilhamos de momentos emocionantes de luta, coragem, lucidez. Fomos acolhidos e recebemos imensa solidariedade que alimentaram ainda mais o nosso sentimento de força. Essa rede pode crescer, temos certeza. Não vamos recuar. Enquanto a passagem não baixar, São Paulo vai parar.

Ingrid Evangelista
Juliana Giron
Paolla Menchetti
Rafael Lira
Vanessa A. CorreiaVania Correia
Victoria Satiro
Vitor Hugo Ramos

Imagens - internet

Rezando a Vida e o Horizonte





Esta semana estamos apresentamos a síntese do Livro Civilização do Amor – Projeto e Missão, lançado em espanhol em outubro de 2012. É o Marco Referencial da PJ Latino Americana.  É um material didático que será à base do curso virtual que estamos organizando para formação de assessores/as. A síntese foi preparada por Hilário Dick e as pessoas interessadas em participar ou conhecer favor escreverem para centrocajueiro@gmail.com.

Vocês já estão com a síntese do Marco da Realidade,o Marco histórico, Marco Doutrinal e Marco Operativo, o marco Celebrativo e hoje apresentamos as orações para apoiar nosso cultivo de uma mística comprometida com a vida.

CAPYM - REZANDO A VIDA E O HORIZONTE

quinta-feira, 13 de junho de 2013

O sustento na vivência do Horizonte




 Quem tem o Filho, tem a Vida (1 Jo 5,12)

Esta semana estamos apresentando a síntese do Livro Civilização do Amor – Projeto e Missão, lançado em espanhol em outubro de 2012. É o Marco Referencial da PJ Latino Americana.  É um material didático que será à base do curso virtual que estamos organizando para formação de assessores/as. A síntese foi preparada por Hilário Dick e as pessoas interessadas em participar ou conhecer favor escreverem para centrocajueiro@gmail.com.

Vocês já estão com a síntese do Marco da Realidade,o Marco histórico, Marco Doutrinal e Marco Operativo hoje apresentamos o marco Celebrativo.


"Apresentamos elementos considerados fundamentais quando se fala de "Espiritualidade Juvenil”, uma espiritualidade que é "alimento" na vivência do discipulado missionário, na construção da Civilização do Amor; caminho para o Pai, que nos guia em Seu Filho e impulsiona com o poder do Espírito. Começamos dizendo que a Pastoral da Juventude descobriu que, para as juventudes, uma vida sem gestos nem celebrações não faz sentido nem tem dinamismo e que, portanto, a dimensão celebrativa é um elemento essencial do estilo de vida que a Pastoral da Juventude vai assumindo no processo de amadurecimento humano e cristão que realiza".

CAPYM-MARCO CELEBRATIVO

Construindo o caminho para o horizonte




A Síntese do marco operativo, do livro Civilização do Amor: Projeto e missão é a quarta a ser apresentada para estudo dos/as evangelizadores/as da juventude no Brasil.
Esta semana estamos apresentando a síntese do Livro Civilização do Amor – Projeto e Missão, lançado em espanhol em outubro de 2012. É o Marco Referencial da PJ Latino Americana.  É um material didático que será à base do curso virtual que estamos organizando para formação de assessores/as. A síntese foi preparada por Hilário Dick e as pessoas interessadas em participar ou conhecer favor escreverem paracentrocajueiro@gmail.com.
No marco operativo estão os princípios, os métodos, o processo e a organização.

Segue para o seu conhecimento e o debate. Esperamos a sua participação aqui no blog. Ao ler o material, o que você destaca. 

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Após quatro anos recordando Gisley



Crônica de Hilário Dick

Quando cheguei naquele lugar, depois do acontecido, fiquei com muita raiva. De um lado um barranco alto, de terra vermelha, lugar inhóspito; de outro um mato alto de capim. Foi aí, naquele mato alto, que deram os três tiros na cabeça de Gisley...  Os que estavam comigo e eu caímos num silêncio de presença.
Quando conheci Gisley, mal se tinha ordenado. Recebi a inscrição dele para fazer a Pós-Graduação em Juventude, na UNISINOS, em São Leopoldo. Conheci Gisley, portanto, querendo estudar juventude... Um menino magro, nascido em Morrinhos, nas terras de Goiás. Tão magro que o vento não levava... Eu conhecera esta cidade por causa de um colega dele que fizera o Curso de Assessores de Jovens, em Porto Alegre, e nos fizera rir muito. Voltei para lá só para falar com a mãe dele e visitar o túmulo de alguém que deu a vida pela juventude.
Vejo Gisley sentado na sala de aula, com 28 companheiros/as, curioso de juventude.  Estava na cara que ele não viera só para fazer pontos para algum concurso; ele viera, realmente, para ver se dava para compreender melhor o que é essa meninada, doida para viver e festar. Como ele... Seus colegas de curso vinham de várias partes, de várias práticas, de várias famílias. Pode-se dizer que se estudava rindo e discutindo. Gisley não se omitia.
Um dia ele me confidenciou que estava sendo convidado para ser o assessor do Setor Juventude da CNBB. Sei que lhe disse que era para pegar esse “rabo de foguete”, mas me lembro que algo de minha resposta não lhe agradara. Talvez ele pensasse que eu diria que ele era muito jovem, que não conhecia a Pastoral da Juventude, que seria melhor esperar, embora eu nem pensasse nada disso. E ele aceitou. Não sei de pormenores, mas o fato é que ele foi entrando fundo nesta missão, atravessando montanhas e vales.
Ele gostava de celebrar bonito, mesmo sem deixando de ser familiar. Ele soube ser assessor de bispos e de jovens... Vendo algumas coisas, no planeta da Pastoral da Juventude, me batem saudades de figuras como Gisley. Ele era concreto, mas também sonhava alto. Basta pensar na Campanha contra o Extermínio da Juventude. Depois de quatro anos bate firme, ainda, um sentimento forte ligando a morte de Gisley e o extermínio da juventude...
Não pude ir ao enterro dele, em Morrinhos, terra da família dele. Junto com Carmem, no entanto, tempos depois, com toda a solenidade dos corações, fiz, mais tarde, uma peregrinação ao túmulo dele. Imaginei-o viajando conosco... Olhei tudo como se olha a doação. Olhei a família como se olha a origem. Olhei a casa paroquial como se olha os desejos que ficam. Todos os/as jovens que passavam por nós pareciam ter escrito na testa um mistério.
Recordando estas pequenas coisas algo me suspirava que fui e poderia ter sido um pouco de pai de Gisley, mas enxotei a tentação e este orgulho. Gostaria, simplesmente, de ser um amigo dele e continuar a te-lo – mesmo com a idade avançada - como inspirador de sonhos que não se perdessem em mesquinharias.  Gostaria que ele sempre estivesse presente nos corpos agitados e bonitos dos/as jovens do mundo inteiro, cutucando-os para o idealismo, isto é, para os sonhos que vão além do imediato. Lembrando-me de  Gisley, lembro-me  de pessoas muito próximas da doação dele, mas gostaria de destacar, sobretudo, os milhões de outros que, como ele, devem estar cantando e celebrando a vida no paraíso que nos espera.
Padre Gisley, beato das esquinas e das festas,abençoe a juventude e todos que desejam ser cuidadores/as de jovens.
P. Hilário Dick S.J.
Junho de 2013